Bijuterias - Aula básica 1


O que é?
As bijuterias surgiram em 1929, durante a grande depressão norte-americana, como alternativa à jóia. Logo conquistou seu espaço graças à versatilidade e à variedade dos materiais trabalhados que, não impondo limites à criatividade, adaptavam-se à moda e às tendências.

A criação das peças é considerada um ramo da ourivesaria, que trabalha com ligas de metais que imitam o ouro e a prata, e com pedras semi-preciosas ou similares de gemas (vidro, plástico etc.).

Diferenças entre jóias e bijuterias:
Peças com ametistas e outras gemas podem ser jóia ou bijuteria.

Quando se tratar de uma jóia, em geral, estará associado a ouro, platina, titânio, nióbio, prata, e até com couro, madeira e outros materiais alternativos que começam a ser muito utilizados.

A jóia tem um design próprio, mais elaborado, em geral identificado com a cultura da região onde se encontra a fábrica.

O acabamento é um definidor importante da jóia. Uma peça de bijuteria normalmente é banhada, enquanto na jóia é empregado o próprio metal.

O uso da prata, muito comum tanto em jóias quanto em bijuterias, também tem diferenças significativas nas duas aplicações. Nas jóias os desenhos são exclusivos e mais trabalhados. Na bijuteria os detalhes são maiores, enquanto na jóia o desenho é bem definido.

Outro detalhe importante é o fato de que nas jóias, as pedras são cravadas e, nas bijuterias, são simplesmente coladas. Pérolas, em bijuterias, nem mesmo chegam a ser sintéticas, são mera imitação.

Como usar:
As possibilidades de criação com peças de bijuterias são amplas. Basta um olhar atento, criatividade e muita disposição para se divertir. Podem ser criados colares, pingentes, argolas, pingentes... São diversas opções de peças que podem ser montadas. A montagem é simples e varia de acordo com as idéias do artesão.